Semana Castro Alves na Academia Guarulhense de Letras

Antônio Frederico de Castro Alves foi um poeta brasileiro. O último grande poeta da terceira geração romântica no Brasil. Expressou em suas poesias a indignação aos graves problemas sociais de seu tempo. Denunciou a crueldade da escravidão e clamou pela liberdade, dando ao romantismo um sentido social e revolucionário que o aproxima do realismo. Foi também o poetado amor, sua poesia amorosa descreve a beleza e a sedução do corpo da mulher. É patrono da cadeira n. 5 da Academia Guarulhense de Letras, hoje ocupada pelo acadêmico efetivo Valdir Carleto.

Castro Alves viveu de 1847 a 1871. Nascido em 14 de março, na fazenda Cabaceiras, perto da Vila de Curralinho, hoje cidade Castro Alves, na Bahia, manifestou toda sua sensibilidade escrevendo versos de protesto contra a situação a qual os negros eram submetidos. Este seu estilo o tornou conhecido como o "Poeta dos Escravos".

Aos 21 anos mostrou sua coragem ao recitar, durante uma comemoração cívica, o "Navio Negreiro". Além de poesia de caráter social, também escreveu versos lírico-amorosos, conforme o estilo de vitor Hugo. Pode-se dizer que Castro Alves foi um poeta entre o Romantismo e o Parnasianismo.

Embora tenha vivido tão pouco, deixou livros e poemas grandiosos, como A Canção do Africano, A Cachoeira de Paulo Afonso (1876), Os Escravos (1883), Adormecida, Amar e Ser Amado, Amemos!, Dama Negra, As Duas Flores, Espumas Flutuantes (1870), Hinos do Equador (1921), Minhas Saudades, O "Adeus" de Teresa, O Coração, O Laço de Fita, O Navio Negreiro (1869), Ode ao Dois de Julho, Os Anjos da meia Noite, Vozes da África, entre outros.

Em homenagem a esse notável poeta de nossa história, a Academia Guarulhense de Letras realiza a cada mês de março, durante três dias, atividades junto às escolas do município e ao público em geral visando deixar em cada um ao menos alguma marca da arte deste homenageado.

Por meio de palestras, saraus, contação de histórias ou apresentações musicais, os acadêmicos e escritores guarulhenses convidados mostram sua arte e conhecimento em reverência e referência a Castro Alves.